Meu querido mês de Agosto

Partilhar no FacebookPartilhar no TwitterPartilhar no LinkedInPartilhar no PinterestEnviar por email
Agosto é o mês, por excelência, das férias, das festas e da celebração da alegria de viver. | Reforma Agrária
Agosto é o mês, por excelência, das férias, das festas e da celebração da alegria de viver.

A Movida Popular de Agosto

O mês de Agosto é o rei das festividades e da movida popular.
De Norte a Sul de Portugal sucedem-se as Festas, Festinhas e Festarolas.

Agosto é celebração e alegria.

Agosto é o mês, por excelência, das férias, das festas e da celebração da vida com alegria. 

O mês em que partimos para novos destinos, mas também regressamos a velhas paragens da nossa infância, ou lugares de estimação das nossas memórias.

Voltamos à casa dos avós, das tias, dos primos ou da vizinha que nos cozinhava sempre "aquele docinho".  

E, sobretudo, brindamos e celebramos a vida, com muito mais alegria!

A comida como acto de celebração

Reunem-se as famílias e regressam os emigrantes portugueses e lusodescendentes da diáspora. E em cada povoação, mesmo a mais despovoada e envelhecida, reverte-se temporariamente o sentimento de perda sociológica. 

Em tudo quanto é aldeia, vila ou vilarejo, a pretexto de um qualquer Santo Padroeiro, come-se e bebe-se até não poder mais.

E, para compensar, há sempre em todas as festas, as inevitáveis Eucaristias e Procissões.

Reminiscências de um país onde a Igreja Católica já teve um grande poder, mas se tem vindo a adaptar, lentamente, a novos tempos e vontades, em que a vida se faz mais de folia e alegria, do que de opulência eclesiástica e austeridade popular. 

E, assim, os Portugueses, homens e mulheres versáteis, assumem de forma sentida, um ar de rigor austero e pesaroso, na Eucaristia e na Majestosa Procissão em Honra do Santo Padroeiro da Sua Terra Natal. 

Mas, mal pousaram os andores da Procissão, sacam logo do fogo de artifício e das concertinas, para comer, beber, dançar, conversar e folgazar, até a noite acabar!

Porque, afinal, a comida também é integração, celebração e festa!

A Festa da Terra como veículo de memória e afetos

É desta dicotomia que se fazem muitas das festas populares, em Portugal.

Porque o mês de Agosto, não é só sol, praia e fogueiras ao ar livre, ups, agora é mais fogos em roda livre, mas adiante...

Festas, Festinhas e Festarolas

Em cada povoação podemos encontrar cartazes a anunciar com antecedência o programa das festas locais!

Em todas as festas podemos dar um pezinho de dança, provar algumas iguarias, estabelecer contacto fácil e saber mais sobre os usos e costumes particulares das gentes locais. 

Mas numa sociedade que se quer cada vez mais uniforme e global, as festas tendem também elas a modernizar os rituais e a uniformizar-se, para atrair mais pessoas, numa irónica rejeição da sua própria identidade, para dar lugar a uma certa modernidade que no final irá atrair menos pessoas, porque sendo tudo "mais do mesmo", não vale a pena regressar às nossas origens se:

  • Em lugar da barraca de doces caseiros, com receitas familiares da terra, temos a barraca de crepes com nutella. 
  • Em lugar do sumo da Laranja das Hortas locais, temos a polpa de fruta açucarada e engarrafada, ou nem isso..., apenas água com açúcar.
  • Em lugar da barraca de sandes de presunto, bem curado, em pão saloio cozido em forno a lenha, passamos a ter a barraca de sandes de queijo e fiambre, com pão de forma aquecido no microondas e uma "carne" cuja origem, para nós é um mistério, que na realidade nem queremos conhecer. 
  • Em lugar da corrida de cântaros à cabeça e dos jogos tradicionais, ou da largada de barcos improvisados, só temos mais do mesmo.

Partilhar no FacebookPartilhar no TwitterPartilhar no LinkedInPartilhar no PinterestEnviar por email

Mariana Barbosa

Artigos relacionados que talvez lhe interessem
MENU