Subway - O pão que não é pão

Subway - O pão que não é pão| Reforma Agrária

Uma notícia recente, do the guardian, dava conta, de uma decisão  de um tribunal irlandês, que entendeu que o "pão", usado nas sandes da Subway, na Irlanda, não cumpre os requisitos mínimos para ser considerado como tal, naquele país. 

A razão é muito simples: excesso de açúcar!

A SubWay, uma cadeia multinacional de fast food, pretendia ser isentada do pagamento da taxa de IVA, alegando que as suas sandes, vendidas sobretudo em take-away, eram feitas com pão e como tal estariam isentas dessa taxa.  

Na verdade, a Subway não é a única cadeia de fastfood a usar açúcar, em excesso, no pão. A regra, no fast-food, é mesmo a fraca qualidade nutricional do pão. 

O que é considerado pão?

O juiz, seguiu as indicações da legislação irlandesa, segundo as quais o pão é, por definição,  um alimento para consumo humano, manufaturado através da cozedura de uma massa composta exclusivamente por uma mistura de farinha de cereais e um ou mais ingredientes, mencionados na lista seguinte , em quantidades que não excedam os limites, se existirem, de cada ingrediente adicional da lista.

Ingredientes que pode ter o pão:

  • farinha de um ou diversos cereais
  • fermento ou outro agente levedante ou aerante, sal, extrato de malte, leite, água, glúten;
  • gordura - em quantidade que não deve exceder 2% do peso da farinha incluída na massa;
  • açúcar - em quantidade que não deve exceder 2% do peso da farinha incluída na massa;
  • melhorantes de pão - em quantidade que não deve exceder 2% do peso da farinha incluída na massa;
  • frutos secos - em quantidade que não deve exceder 10 por cento do peso da farinha incluída na massa;

Qual o teor de açúcar do "pão" da Subway?

O pão da Subway, contém cinco vezes mais açúcar, do que o teor máximo de açúcar permitido pela legislação irlandesa, para ser considerado pão, e como tal ser isento de iva. 

Ou, como disse o supremo tribunal: “Neste caso, não há controvérsia que o pão fornecido pela Subway nas suas sandes aquecidas tem um teor de açúcar de 10% do peso da farinha incluída na massa”.

pão-de-forma - O pão que quase não é pão| Reforma Agrária

Será que aquilo a que, chama pão, é mesmo pão?

Ou será antes, o pão que o diabo amassou?

A questão que se levanta, é mesmo, se será correcto chamar pão, ao que não é pão, levando os incautos a comer bolos, em vez de pão? 

Será que quando as pessoas, por comodidade, substituem o pão, por pão-de-forma ou outros sucedâneos, têm a real noção da falta de qualidade desse pão, em termos nutricionais?

Esta é quase uma questão de ética comercial!

Sobretudo quando todos sabemos que, a prevalência de diabetes, na população actual, é alarmante! 

Vender gato por lebre

Esta história não é nova, desde os tempos mais remotos que se tenta "vender gato por lebre".

Mas nos tempos modernos a venda do "gato" é feita com tal à vontade, que os próprios vendedores se auto-convencem, de que estão a vender "lebre".

Será correcto que se deixe o consumidor - que muitas vezes até é diabético - pensar que compra pão, quando está a comprar um produto açucarado, que quase poderia ser categorizado como um biscoito ou um pastel

Partilhar no FacebookPartilhar no TwitterPartilhar no LinkedInPartilhar no PinterestEnviar por email

Mariana Barbosa

Artigos relacionados que talvez lhe interessem
MENU