Uma viagem (virtual) TENEBROSA às Estufas de Almería - Espanha

Nestas coisas, o melhor é mesmo ser S. Tomé, ver para crer, veja o vídeo.

Um mar de estufas distribuidas por uma vasta extensão, que produz uma paisagem irreal e absolutamente insustentável do ponto de vista ambiental e alimentar.

Mas o melhor é mesmo ver o vídeo com recurso ao Google Earth. A qualidade obviamente não é muito boa, mas isso é o menos importante.

Da próxima vez que comprar frescos no supermercado - seja produto biológico ou não biológico - e vir uma etiqueta de Almeria, lembre-se deste vídeo!

Ao fazê-lo está a contribuir para um modo de produção alimentar absolutamente insustentável, que afecta não só ambiente, mas também os outros produtores - todos aqueles que  produzem de forma sustentável e não abdicam da qualidade em prol do lucro.

O tipo de produção agrícola, em sistemas de monocultura de larga escala, priviligiando as espécies mais rentáveis e resistentes ao transporte, como acontece em Almería e arredores, é um modelo agrícola insustentável, porque consome demasiados recursos energéticos, mesmo quando certificado em modo biológico. E é  este o modelo de agricultura que o projecto da Reforma Agrária tenta combater!

  • Que lógica tem consumir produtos biológicos que viajam kilómetros até chegar até à sua cozinha?
  • Já pensou nos custos de refrigeração e transporte desses produtos "biológicos" que você compra?

Nós acreditamos num modelo local e de cadeia curta!

Biológico nem sempre é sinónimo de sustentável!  

A comodidade, no momento da compra, não pode ser um valor que se sobreponha a todos os outros.

Como consumidores, em última análise, somos os responsáveis pela existência destas aberrações, porque validamos e suportamos economicamente a proliferação de situações como estas.

Eu confesso que já tinha ouvido falar sobre Almería, grande extensões de estufas que fornecem todos os dias toneladas de alimentos para Portiugal e toda a Europa.

Mas curiosamente, foi numa conversa num café, a propósito de consumo responsável, que um cliente me mostrou Almería no seu telemóvel. Fiquei de tal forma estarrecido, que me levou a criar este artigo.

Conclusão: a mudança para uma vida mais sustentável depende de muitos factores e de muitas entidades. Mas se o consumidro quiser, é possível.

Eu acredito. E você ?

Se também acredita que é possível mudar, partilhe este vídeo, e vai ver que muitas pessoas vão ficar surpreendidas.

Combinação Almería e Produtos biológicos

Eu tive a oportunidade de experimentar produtos biológicos produzidos em Almeria e é uma experiência interessante, mas difícil de digerir.

Não sabem, nem cheiram a bio. Talvez, tenha tido azar...

Um amigo, em férias, pediu-me para lhe esvaziar o frigorífico, onde tinha deixado estes produtos bio: tomates, pepinos e cenouras.

Tive até, a oportunidade de comparar com os produtos biológicos de Almeria, com os produtos biológicos do cabaz que recebi nessa semana.

Comparei os tomates de Almeria, com os tomates do meu cabaz, mas nem era necessário, porque sempre que me entregam o cabaz, sinto o aroma dos tomates e do mangericão.

No caso dos tomates de Almeria, confesso que depois de provar o primeiro ficaram os restantes (cinco) esquecidos no frigorífico. Já estou tão habituado a alimentos saborosos, que aquele tomate que provei me pareceu uma verdadeira aberração.

Só mesmo quem nunca experimentou produtos biológicos é que pode notar alguma diferença, porque talvez sejam melhores do que aos tomates cheios de químicos... 
Mas o pior ainda estava para acontecer!

Ao fim de 3 semanas no meu frigorífico os tomates de Almeria teimavam em não emurchecer, nem apodrecer!

No final da 4 semana todos tinham apodrecido, no mesmo ponto, na sua base, mas mantinham o mesmo aspecto inchado e brilhante que tinham no início.

A Mariana ao fim de duas semanas passou a chamar-lhes os "Tomates Botox"  e realmente havia algumas semelhanças - inchados e sem cheiro nem expressão.

Mas afinal o que é que se passa com estes tomates bio?
Como é possivel manterem-se assim duros e hirtos, sem cheiro nem sabor?

Compre fresco e local!

Se pretende comer produtos biológicos, compre local e procure conhecer o seu produtor!
Já reparou que conhece os produtores de tudo, menos os produtortes dos seus alimentos - o mais importante para a sua saúde!

E não se esqueça: Rejeite o excesso de embalagens!

Como é possivel que por cada compra de legumes bio traga para casa, plástico e mais plástico?
O excesso de embalagem é um bom sinal de que o produto foi sujeito a longas viagens. Só por isso se explica, por exemplo, que cada pepino seja embalado, individualmente, em plástico.

Partilhar no FacebookPartilhar no TwitterPartilhar no TumblrPartilhar no LinkedInPartilhar no PinterestPartilhar no Google+Enviar por email
Artigos relacionados que talvez lhe interessem
MENU